Páginas

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Texto publicado Jornal Opa! em 10/10/2011

19 comentários:

  1. Qualé seu guarda, que papo careta. Só tô tirando chinfra com a minha lambreta. Nunca se produziu tanta música de qualidade. Mas tem que olhar na internet. Na TV e no rádio vc não acha mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, pra você ver! Pra comentar o post tiveste que apelar para um som do Paralamas do Sucesso composto quando mesmo??? 1983.
    Ou seja, apenas 28 anos atrás.
    Sei que existe muita música de qualidade atualmente. O problema é justamente esse, se é que entendeste o texto. O espaço que DEVERIA ser destinado a ela é tomado por músicas sem conteúdo.
    Quem dera essas músicas que tu falaste estivessem na mídia, cumprindo a devida função cultural a que se destinam.
    Grato pelo comentário, sr. Anônimo!

    ResponderExcluir
  3. Karla Enger Bertoglio via facebook: Muito bom, Marcelinho!!!! Acredito, e torço para, que tudo isso seja uma pequena onda... como foi a época da lambada, lembra? Vejo muitas distorções na geração que está aí, mas também vejo muita coisa boa... como educadora, me recuso a pensar na possibilidade dessa onda ter força por muito tempo... continuemos fazendo o bom trabalho que estamos fazendo com os que estão próximos de nós... vai dar resultado!

    ResponderExcluir
  4. Ricardo Barth via Facebook: hehehe bacana! sempre achei que quanto mais tempo estamos sem algo novo, mais perto de algo novo estamos... hehehe que assim seja né.... =)

    ResponderExcluir
  5. Julio Martins via Facebook:
    Sou do tempo que esperava 1 semana pra ir beeem contente de busão na expovale para assistir Titãs, Paralamas, Raimundos....Não são o "supra-sumo" ou a "brastemp" mas sempre mantiveram suas linhas e, como toda banda, lançaram algumas músicas comerciais ao menos pra vender (tb precisam viver né). Agora eu estou diante de uma geração diferente, que gosta de experimentar coisas novas, de ouvir as modinhas. Sim, no meu tempo tb haviam modinhas. Mas hoje acredito que em maior quantidade, inversamente proporcional à qualidade. "No meu tempo" eu achava ruim Raça Negra, todos os sertanejos". Hoje, vejo que tem coisa pior: pagode do lelelelê e essas musicas de "universitário". Porra, Raça Negra e Xitãozinho e Xororó nem eram tão ruins assim!! Oremos

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Gustavo Greve, via mail:
    Muito bom !!
    101% verdade ! (se meu pai visse isso me enviaria para aulas do
    primário...direto !!..ehhehe)
    Parabéns !
    Abração

    ResponderExcluir
  8. Carolina Keunecke, via mail:
    Infelizmente é esta nossa realidade...infelizmente e também felizmente tem gosto para tudo...
    mas sei que o que é bom só tende a ficar melhor ainda...como um bom vinho amadurecido...
    assim é o rock..pelo menos pra mim...abraços e gostei muito do texto, concordo plenamente com as
    colocações...não abro mão de ouvir e estimulo os guris tb...

    ResponderExcluir
  9. Bruna Araújo, via mail:
    Oiii Marcelão...
    Muito bom o texto, concordo plenamente;

    Parabéns pelas palavras e pelo texto;

    Boa semana!

    ResponderExcluir
  10. Max Lima, via mail:

    Show de Bola Marcelo!

    Max

    ResponderExcluir
  11. Gustavo Diel, via mail:

    Muito massa cara, parabens cabelo

    ResponderExcluir
  12. Paulo Wendt, via mail:
    Parabéns Celão!!
    É isto aí!!!
    Saúde e SUCESSO !!!
    Tio Paulo

    ResponderExcluir
  13. Magali Petter, via mail:
    Góia...Parabéns...show de bola...esse foi publicado
    num jornal de POA, certo?
    bjão, Magui

    ResponderExcluir
  14. Devida função cultural e espaço que DEVERIA ser destinado? Papo furado de quem quer sugar uma graninha da lei Ruanet. Quem escolhe o que quer consumir é o público. Se pagam pra ver o Luan Santana é por que ele mexe com os hormônios da juventude da mesma forma que os Beatles e os Stones faziam nos anos 60. Por isso ela gera lucro e não precisa depatrocínio estatal. Por isso que os programas de TV chamam ele. O tal rock, aquele dos clásicos de mais de 30 anos atrás, é só um dinossauro que esqueceram de enterrar e hoje vive em uma eterna reprise de seus melhores momentos. Como disse antes, o que é novo e bacana está a um clique de distância, só que o pessoal não fica sabendo por que em (quase) todas as fontes de informação é sempre aquela velha chorumela saudosista. Chega de saudade.

    ResponderExcluir
  15. Papo furado é o seu que se contenta em engolir o que o sistema te empurra. E a questão não é o lucro que esses que se dizem "artistas" de hoje buscam tão avidamente. Quer ouvir Luan Santana, fique à vontade, o gosto é seu e faça dele o que quiser. E outra, melhor ser um "dinossauro que esqueceram de enterrar, porém tem o que dizer, do que um projeto de gente que espero, mal passará da gestação. Chega de porcaria "a um clique de distância".
    E não me refiro somente ao rock, mas sim a tudo de bom que já foi produzido por aqui. E pobre destes que sentem seus hormônios "vibrarem" com um "meteoro de amor" ou "funk das cachorras" e outras besteiras que insistem em poluir o nosso meio.
    Escute o que quiser e faça o que achares melhor pra você. E outra, se tivesse personalidade, como aparentemente transparece o seu texto, não usaria do anonimato para manifestar suas tão profundas queixas.

    ResponderExcluir
  16. Aí Kabelão, vamo pra luta armada, se for necessário. Cara, enchemos nossa paciência e nosso saquinho já enrugado com tanta pornografia sertanejística universitária ou de ensino médio, ou de outros "ritmos" não menos brochantes e fedorentos. E, por falar em conteúdo, com certeza esses "defensores popularistas do inferno musical atual", devem adorar as letras que falam de amor como se tivesse falando de fezes.

    ResponderExcluir
  17. Bah, sorry, não coloquei meu nome no comentário acima. Me chamo Rock, sobrenome Roll. Tenho mais ou menos 70 anos de idade, mas estou 100% lúcido, em forma e continuo vislumbrando a luz no final do túnel. Sou saudosista, com muito orgulho. Porque só se tem saudades de algo que foi bom. Com certeza essa "nova geração" não sentirá saudade da época atual quando estiver com minha idade. Alguns me chamam de dinossauro, e acho muito lindo isso. Fico lisonjeado, pois sou comparado a seres maravilhosos que viveram no passado e são lembrados e estudados até hoje. Com certeza esses "seres estranhos" que habitam nosso planetinha hoje nem sequer aparecerão nos livros de história infantil no futuro. Bem, o que dizer de pessoas que usam uma Arena onde seres vivos são derrubados ao solo, humilhados, amarrados, etc... Berram suas "músicas" chorosas pra que não se ouçam os gritos de desespero dos referidos seres humilhados. Bom, meus ancestrais me disseram que minha estada por aqui seria eterna, que viriam seres de tudo que é tipo pra tentar confundir a cabeça dos humanos, mas que seriam apenas passageiros, porque o motóra sou eu. Abraços

    ResponderExcluir